04/11/11

TEMPO de ABRAÃO a MOISÉS

Tempo de Abraão a Moisés

                      contém

1- LIVRO DA CRIAÇÃO (GÊNESE)  

           Escrito no tempo de Moisés, e fala: 10 páginas

           Da criação do mundo na pré história da civilização.
           Da formação do povo Hebreu.
           Da História de Abraão, Isaac e Jacó.

2- LIVRO DO ÊXODO  
           A fuga do povo Hebreu do Egito para o Canaã. 8 páginas

3- LIVRO DOS LEVITAS 
            Leis para o culto religioso e a função dos levitas (descendentes de Levi). 1 página

4- LIVRO DOS NÚMEROS  
           História no tempo do êxodo. 6 páginas
           A organização do povo, e o surgimento da nação de Israel (filhos de Jacó). 

5- LIVRO DOS DISCURSOS DE MOISÉS (DEUTERONÔMIO)
           Moisés dita o texto da Lei. 4 páginas



===============================================================

VERSÃO DO LIVRO DE GÊNESE

Gn 1- A criação.
Nos Princípios (Conhecimento e Entendimento) Deus viu a terra sem forma e vazia, e desconhecida. Mas o Conhecimento (Logos, ciência passiva) estava apto, e o Entendimento, Espírito Santo ativo se movia na escuridão aguardando as ordens. Deus decidiu, e seu Conhecimento disse o que havia de ser: ‘faça a luz!’. E o Espírito fez. E a luz passou a separar o claro do escuro. Foi o primeiro dia. No segundo dia, Deus fez a atmosfera como local dos vapores, e chamou de céu. No terceiro dia, separou a água do solo árido, e os chamou de mar e terra. Fez também plantas e ervas de todas as espécies. Ordenou às plantas que dessem flor, fruto e semente. No quarto dia, fez o Sol, a Lua e as estrelas. No quinto dia criou os animais da água e do céu, e ordenou que se multiplicassem. No sexto dia, fez os animais terrestres, o homem e a mulher à sua imagem e semelhança, para governar a terra. As sementes e frutos das ervas serviriam para alimento do homem e dos animais. Deus viu que sua obra era muito boa.

Gn 2- a) No sétimo dia Deus descansou, e o determinou como dia do repouso.
b) O Paraíso – Javé Deus fez um jardim no Éden. Plantou belas plantas e árvores frutíferas, entre elas as árvores da vida e a do conhecimento. O jardim era banhado por quatro rios Eufrates, Tigre, Geon e Fison.
c) O homem – Javé Deus fez o homem de barro, soprou-lhe a respiração nas narinas, e o homem se tornou uma alma viva. E Deus o colocou para cultivar e guardar o Jardim. Ele podia comer de todos os frutos, exceto o da árvore do conhecimento, pois morreria. O homem deu nomes a todos os animais.
d) A mulher – Javé Deus resolveu fazer uma companheira para o homem não ficar só. Enquanto ele dormia, tirou-lhe uma costela, e fez a mulher, e a deixou junto ao homem.

Gn 3- a) A origem do pecado.
A mulher se aproximou da árvore do conhecimento, e lá havia uma serpente, animal enganador, e a mulher lhe contou que não podia comer do fruto, pois morreria. A serpente disse que não morreria, mas lhe abriria os olhos, e conheceria o bem e o mal, como um deus. A mulher comeu, e deu ao homem para comer (e desobedecem Deus). E seus olhos se abriram, e vendo que estavam nus cobriram-se com folhas de figueira.
O Senhor passeava no jardim, e eles se esconderam entre as plantas. Ele chamou, eles responderam, e disseram que se escondiam porque estavam nus. E Deus perguntou: Quem lhes disse que estão nus? E Adão respondeu: A mulher me deu o fruto do conhecimento, e eu comi. E Deus perguntou à mulher: Porque fez isso? A mulher respondeu: A serpente me enganou, e eu comi.
b) O castigo.
Deus disse à serpente: Será maldita entre os animais, e vai rastejar na poeira. A mulher e seus descendentes te odiarão, eles te ferirão a cabeça, e você ferirá seus calcanhares. E disse à mulher: Seus desejos te impeli-rão para o homem, e será dominada por ele. E dará luz aos filhos, com dores. E disse ao homem: Tirará o sustento da terra, com trabalho penoso, e com suor do rosto. Morrerá, e porque é pó ao pó voltará.
Adão chamou a mulher de Eva (vida). Deus fez vestes de pele e os vestiu. E disse: Agora o homem se tornou conhecedor do bem e do mal, cuidemos para que ele não coma do fruto da árvore da vida, e viva eternamente. Os expulsou do jardim, e colocou guardas (querubins) no caminho da árvore da vida.

Gn 4- Caim, Abel e Set.
Adão e Eva tiveram dois filhos Caim, que era agricultor, e Abel, que era pastor. Os dois ofereceram sacrifícios de ações de graças a Deus, e Deus agradou-se da oferta de Abel. Caim se irritou, convidou Abel para um passeio no campo, e o matou. Deus amaldiçoou Caim, e colocou lhe um sinal para que ninguém o matasse. E Caim se mudou para longe dali. Após a morte de Abel, Eva teve outro filho, Set, que cresceu e teve um filho, Enos, que iniciou o culto a Deus.

Gn 5- Adão gerou vários filhos e filhas, depois de Set. Set gerou vários filhos e filhas, depois de Enos. DESCENDÊNCIA DE ADÃO até Noé. Noé teve três filhos Sem, Cam e Jafet.

Gn 6- A humanidade.
a) Os filhos de Deus desejaram as filhas dos homens, se casaram com elas, e tiveram filhos gigantes, que são os heróis do tempo antigo.
b) Deus pensou: ’Meu espírito não ficará no homem, pois ele é carne, e morrerá’. Ele viu que a maldade do homem era grande, e que ele só pensava coisas más. Decepcionou-se muito, e se arrependeu de ter criado o homem. Então resolveu acabar com ele, e todo ser vivo da terra. Mas Deus achou graça em Noé.
c) História de Noé.
Noé era um homem justo e temia Deus, enquanto os outros eram violentos e corruptos. Então Deus mandou Noé fazer uma barca, pois ele ia enviar o dilúvio para eliminar os homens e animais da terra. DETALHES DA ARCA. Noé e sua família seriam salvos. Deveria colocar na arca um casal de cada animal para preservar a criação. Noé obedeceu, e fez o que lhe foi ordenado.

Gn 7- O dilúvio.
Deus disse a Noé: Entre na arca você, seus filhos e mulheres, e também os animais, pois vai chover durante 40 dias. Choveu. A arca flutuou, tudo foi inundado, e tudo que tinha vida sobre a terra morreu. A inundação durou 150 dias.

Gn 8- a) Fim do dilúvio. A chuva acabou, e a água baixava. A arca sentou-se sobre o monte Ararat. Noé soltou uma pomba, que não achando lugar para pousar voltou à arca. Dias depois soltou de novo a pomba, e ela voltou com uma folha de oliveira no bico. Esperou mais sete dias, soltou de novo a pomba, e ela não voltou. Ele viu que a terra estava enxuta.
b) Deus mandou que saíssem da arca, e povoassem a terra. Então Noé ofereceu um sacrifício ao Senhor. O Senhor sentiu o odor e disse: ‘Não amaldiçoarei mais a terra só porque o homem é mau desde a juventude’.

Gn 9- A nova humanidade.
a) Deus abençoou Noé e seus filhos (Sem, Jafet e Cam) para serem fecundos e povoarem a terra. Eles dominariam os animais, que lhes serviriam de alimento junto com as ervas. Só não comeriam o sangue, pois este é a alma (sangue = alma).
b) Deus disse: Nunca mais farei o dilúvio. Nos dias de chuva colocarei meu arco nas nuvens como sinal desta aliança.
c) Noé se embriagou, e Cam viu o pai nu. Ele contou aos irmãos, que cobriram o pai com uma capa, sem olhá-lo. Por isso Noé amaldiçoou Canaã filho de Cam fazendo-o escravo de Sem. OBS. Noé amaldiçoou Canaã, pois Cam tinha sido abençoado por Deus. Mas Deus deu a terra de Canaã a Abraão.

Gn 10- Povoamento do mundo. Jafet povoou a Grécia e ilhas; Cam, do Egito à alta Mesopotâmia; e Sem, a baixa Mesopotâmia.

Gn 11- a) A torre de Babel.
Todos falavam uma só língua. Alguns homens foram para a planície do Senaar, e edificariam ali uma torre que atingisse o céu, e assim ficariam célebres. Deus vendo resolveu confundir sua linguagem para punir sua ambição. E assim aconteceu. Não se entendendo se dispersaram, e não terminaram a torre, que deram o nome de Babel.
b) ASCENDÊNCIA DE ABRÃO (Abraão).
c) Abrão descendente de Sem, nasceu em Ur na Caldéia, casou-se com Sarai. Tare, Abrão seu filho, sua nora e seu neto Lot, se mudaram para Harã. Lá viveram até a morte de Taré.

Gn 12- História de Abrão.
O Senhor disse a Abrão: ‘Deixa sua terra, e vai para onde eu te mostrar. Farei de ti uma grande nação, e todas as famílias da terra serão abençoadas em ti’. Abrão partiu com sua esposa Sarai e seu sobrinho Lot, levando suas posses. Chegando na terra de Canaã, acamparam no carvalho de Moré na terra de Siquém. E o Senhor disse: ‘Darei esta terra à sua posteridade’. Mas Abrão não se estabeleceu ali, seguiu pela região até que uma seca fez Abrão ir para o Egito. Lá chegando os egípcios se encantaram com a beleza de Sarai, sua mulher, que ele disse ser sua irmã para não ser assassinado. O faraó levou Sarai para o palácio, tratou bem de Abrão, e lhe deu muitos animais. Deus castigou o faraó por causa de Sarai. Então o faraó devolveu Sarai a Abrão, pois descobriu que era sua esposa, e mandou que saíssem do Egito.

Gn 13- Abrão e Lot.
Abrão e Lot eram muito ricos em rebanhos, ouro e prata. Então em Betel (Canaã) resolveram se separar por causa de seus rebanhos. Lot escolheu a planície do Jordão, e foi para Sodoma. Abrão ficou em Canaã. O Senhor disse a Abrão: ‘Toda a terra que vê te darei, e tornarei sua descendência numerosa’. Abrão veio morar nos carvalhos de Mambré em Hebron (por isso hebreus).

Gn 14- Melquisedeque.
O rei de Senaar (Mesopotâmia) coligado com outros reis fez guerra a Sodoma e Gomorra, e levaram Lot prisioneiro. Abrão combateu os reis, e libertou Lot com os seus bens. Na volta Abrão foi recebido por Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote de Deus, que trouxe pão e vinho. Abençoou Abrão dizendo: ‘Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que tudo criou, e que entregou seus inimigos em suas mãos!’ E Abrão deu a Melquisedeque dízimo de tudo. E deu ao rei de Sodoma os bens que resgatou.

Gn 15- A Aliança de Deus com Abrão.
a) Depois disso, o Senhor falou a Abrão ‘Não tema. Eu sou seu protetor, sua recompensa será grande’. Abrão respondeu: ‘Senhor, pra que me dá? Não tenho filhos, e um escravo será meu herdeiro’. E o Senhor respondeu: ’Seu herdeiro vai sair de ti. Olhe as estrelas do céu, assim será sua descendência’. E Abrão acreditou, e o Senhor o achou justo.
b) O Senhor disse a Abrão: ‘Seus descendentes serão peregrinos em outra terra, lá serão escravos por 400 anos, mas sairão de lá com grande riqueza, e voltarão para cá. Eu dou aos seus descendentes as terras do Egito ao Rio Eufrates’.

Gn 16- Nasce Ismael.
Sarai mulher de Abrão era estéril, mas permitiu Abrão ter um filho com sua escrava Agar. Desde que Agar concebeu passou a destratar Sarai, então Sarai a expulsou. No deserto o anjo do Senhor disse a Agar para voltar, e se desculpar com Sarai. Ela chamou o local de ‘El roí’ (Deus que me vê). Ela voltou, e nasceu o menino que deram o nome de Ismael.

Gn 17- A aliança da circuncisão.
Abrão tinha 99 anos quando lhe apareceu o Senhor Deus Todo Poderoso, e fez com ele uma aliança. Disse o Senhor: Será pai de muitos, e de agora em diante se chamará Abraão (pai de muitos). Darei a terra do Canaã a seus descendentes, e serei seu Deus. Como prova da aliança, todo homem filho ou escravo deve ser circuncidado no oitavo dia de nascido. Saraí se chamará Sara, será abençoada, e terá um filho. Abraão levou o rosto ao chão em respeito, mas riu, pensando como poderia um homem de 100 anos e uma mulher de 90 ter filho. Mas Deus confirmou que Sara seria mãe, e o menino se chamaria Isaac. Deus se retirou, e Abraão circuncidou todos.

Gn 18- a) A visita do Senhor.
O Senhor mais dois anjos apareceram para Abraão ao meio dia. Abraão lavou seus pés, e os convidou para descansar e comer. Disseram a Sara que daí a um ano ela teria seu filho, e Sara riu. O Senhor perguntou: Por que riu? Acha que não vai acontecer?
b) Fim de Sodoma.
Os três se levantaram, e o Senhor falou a Abraão que iriam a Sodoma para julgá-la, pois o clamor era gran-de na cidade. Então Abraão perguntou: Na cidade há homens justos, matará o justo por causa do ímpio? O Senhor respondeu: Se houver 50 justos perdoarei toda a cidade. Abraão disse: E se forem 45? Ele respon-deu: Não destruirei. Abraão disse se forem 10 pessoas? O Senhor respondeu: Não destruirei, e se retirou.

Gn 19- a) Destruição de Sodoma e Gomorra.
Os anjos chegaram em Sodoma à tarde, e encontraram Lot à porta da cidade. Lot se prostrou diante deles, e os convidou, insistiu para que pernoitassem em sua casa. Eles foram. Mas à noite os homens da cidade vieram à porta de Lot, e queriam conhecer os visitantes. Lot saiu e pediu calma, e que deixassem as visitas em paz, e ele daria suas filhas para eles. Eles não aceitaram, e forçaram a porta, mas os anjos puxaram Lot para dentro, trancaram a porta, e cegaram os homens. Ao amanhecer os anjos, Lot e sua família deixaram a cidade, pois eles iriam destruí-la. Disseram: Fujam e não olhem para trás. Eles fugiram para a cidade vizinha de Segor. O Senhor fez chover fogo e enxofre, e destruiu Sodoma e Gomorra. A mulher de Lot olhou para trás, e se transformou numa estátua de sal.
b) As filhas de Lot.
Lot mudou-se para as montanhas com suas duas filhas. Como elas não tinham filhos, combinaram embriagar o pai e dormir com ele para engravidar, e assim fizeram. As duas tiveram filhos de seu pai. Um se chamou Moab, e o outro Ben Ami, que são os pais dos moabitas e dos amonitas.

Gn 20- Abraão e Abimelec.
Abraão se mudou para Gerara, na Filistéia. Abimelec era o rei, e quis se casar com Sara, mas o Senhor lhe apareceu em sonho, e lhe revelou que ela era casada. Então Abimelec devolveu Sara a Abraão, e lhe indenizou pelo acontecido.

Gn 21- a) Nascimento de Isaac.
O Senhor visitou Sara, e ela teve um filho que deu o nome de Isaac (significa motivo de alegria), conforme a promessa de Deus. Ele foi circuncidado com 8 dias. Abraão tinha 100 anos. Isaac crescia, e Ismael filho de Abraão com Agar, zombava dele, então Sara falou a Abraão, e os expulsou de casa. Sara dizia que o filho da escrava não seria o herdeiro de Abraão, apesar de ser o primogênito. E Deus consentiu.
b) Abraão faz aliança com Abimelec.
Abimelec e seu general Ficol vieram fazer um acordo de paz com Abraão. Ele disse a Abraão: Deus está contigo, por isso jura que vai me tratar do mesmo modo que te trato, e que não me enganará. Abraão jurou. E deram ao lugar o nome de Bersabéia.

Gn 22- a) A prova de Abraão.
O Senhor pediu a Abraão para levar Isaac à terra de Moriá, e oferecê-lo em holocausto. No dia seguinte partiram para fazer o holocausto. Três dias depois chegaram ao monte. Abraão tomou Isaac, a lenha e fogo, e Isaac perguntou onde estava a ovelha para ser oferecida. Abraão respondeu que Deus providenciaria. Abraão fez o altar e a fogueira, amarrou Isaac, e colocou sobre a lenha. Na hora de matar Isaac, o anjo do Senhor interveio, e disse: Não faça isto, agora sei que teme a Deus. Abraão viu um cordeiro preso aos espinhos, tomou-o, e ofereceu-o ao Senhor; e chamou este lugar de Javé Yiré (Javé proverá). E o Senhor jurou por ele mesmo, que multiplicaria a posteridade de Abraão, porque ele obedeceu. E Abraão voltou para Bersabéia com Isaac.
b) DESCENDÊNCIA DE NACOR irmão de Abraão, avô de Rebeca, que se casará com Isaac.

Gn 23- Morte de Sara.
Sara morreu com 127 anos, e foi sepultada na caverna de Macpela, defronte de Mambré (Quiriat Arbe), hoje Hebron. Em terras compradas de Efrom por Abraão.

Gn 24- Isaac se casa com Rebeca.
Abraão pede ao servo para ir à terra de seus parentes em Harã arranjar uma mulher para Isaac. Ele foi à casa de Nacor. Chegando lá, parou junto ao poço para observar as mulheres, e ali fez uma oração ao Senhor para que ele lhe mostrasse a escolhida. Veio Rebeca filha de Batuel, neta de Nacor. O servo se aproximou e pediu de beber, e ela prontamente o serviu, e serviu também os animais, era o sinal de Deus. O servo agradeceu a Deus pela bondade e fidelidade. Pediu a Rebeca se poderia dormir na casa do pai dela. Ela o levou para casa, onde foi recebido por seu irmão Labão. Então o servo falou de sua missão, e pediu Rebeca para Isaac. Batuel e Labão consentiram no casamento, e o servo feliz distribuiu presentes para a família. Depois jantaram. De manhã chamou Rebeca, e perguntou se ela queria partir neste dia, e ela aceitou, então partiram: o servo de Abraão, Rebeca e suas servas. Quando chegaram no Negeb, Isaac se casou com Rebeca.

Gn 25- a) Abraão tomou Cetura como mulher, e teve mais 6 filhos, mas apenas Isaac foi seu herdeiro. Ele morreu com 165 anos, e foi sepultado junto a Sara na caverna Macpela.
b) Esaú e Jacó.
Rebeca mulher de Isaac era estéril, Isaac pediu ao Senhor, ela concebeu e teve gêmeos. O Senhor falou a Rebeca: Tens duas nações em seu ventre. Um povo vencerá o outro, e o mais velho servirá ao mais novo. Esaú (peludo e moreno) nasceu primeiro, e Jacó (o que leva vantagem) o seguiu segurando seu calcanhar. Um dia já adulto Jacó preparava o alimento, e Esaú chegou com fome. Jacó disse que lhe daria a comida em troca da primogenitura, e Esaú aceitou. Então ele comeu, bebeu, depois se levantou e partiu, e desprezou seu direito de primogênito.

Gn 26- a) Houve seca e fome na região. Isaac se mudou para Gerara, onde Abraão morou. Isaac disse, por medida de segurança, que sua mulher Rebeca era sua irmã, mas o rei sabendo disso lhe deu proteção. Com o tempo Isaac se tornou muito rico, então o rei pediu que deixasse Gerara, e ele se mudou para Bersabéia como fez Abraão.
b) O Senhor falou a Isaac: Eu sou o Deus de Abraão, não tema. Estou contigo e te abençoo; e multiplicarei sua descendência por causa de seu pai Abraão.
c) Abimelec procurou Isaac, e fizeram um acordo de paz, como seus pais já haviam feito antes.
d) Esaú desgostou seus pais, se casando com Judite e Basemat, filhas de hiteus.

Gn 27- a) Isaac abençoa Jacó.
Isaac velho não enxergava mais, e pediu a Esaú para lhe fazer um almoço, pois ele iria abençoá-lo como sucessor. Rebeca ouviu, e pediu a Jacó para se apressar, servir o almoço antes, e ser abençoado no lugar de Esaú. E assim ele fez. Usou as roupas de Esaú, por causa do cheiro, e usou uma pele de cabrito sobre a mão e o pescoço para seu pai tocar e sentir que ele era peludo, e pensar que era Esaú. Quando Esaú chegou da caça, descobriu a fraude de Jacó para roubar sua benção.
b) Jacó foge para Harã.
Esaú jurou matar Jacó por causa desta trapaça, e Jacó foge para a casa de seu tio Labão em Harã.

Gn 28- Isaac mandou Jacó para Harã para se casar lá, e não com mulheres do Canaã. A caminho de Harã, Jacó pernoitou no campo, e teve um sonho, onde o Senhor lhe dizia: ‘Eu sou o Deus de Abraão e de Isaac, e darei a ti a terra onde está deitado, e farei sua posteridade numerosa como areia’. Jacó acordou e disse: aqui é a casa de Deus, e chamou o lugar de Betel. Então Jacó fez o seguinte voto: se o Senhor me abençoar até eu voltar à casa de meu pai, será o meu Deus.

Gn 29- a) Jacó chegou em Harã, e ficou perto de um poço, onde alguns pastores davam de beber aos animais. Ele perguntou sobre Labão, e lhe mostraram Raquel, sua filha, que chegava com as ovelhas. Ele se aproximou dela, e lhe contou que era parente, filho de Rebeca. Ela correu para casa contar ao pai, que veio ao encontro de Jacó, e o recebeu em sua casa. Depois de um mês de trabalho, conversaram sobre o seu salário, e fizeram um acordo. Jacó serviria Labão por sete anos, se ele lhe desse Raquel em casamento. E assim aconteceu. No fim do prazo ele quis se casar. Labão fez a festa, e à noite deu Lia, a mais velha, para as núpcias, e não Raquel. De manhã Jacó viu que foi enganado, mas Labão justificou que as filhas mais velhas devem se casar primeiro. Propôs a Jacó trabalhar mais sete anos para se casar também com Raquel. E ele aceitou.
b) Filhos de Jacó com Lia: Rubens, Simeão, Levi e Judá.

Gn 30- a) Os filhos de Jacó.
Raquel era estéril, mas deu sua escrava Bala para gerar por ela, e teve Dã e Neftali. Lia também deu sua escrava Zelfa, que teve Gad e Aser. Depois Lia teve Issacar, Zabulon e uma filha Dina. E Raquel que era estéril concebeu, e teve José. (mais tarde Jacó teve Benjamim com Raquel).
b) Jacó enriqueceu.
Quando nasceu José, Jacó falou em voltar para Bersabéia. Labão não sabia como pagá-lo, já que Jacó o havia enriquecido. Fizeram um acordo que todo gado que nascesse malhado seria de Jacó, e o branco de Labão. Então Jacó separou o gado, deixou seus filhos pastorear o gado malhado, e ele foi pastorear o gado branco. Ele aplicou um método para que só nascesse gado malhado entre os brancos. Assim aumentou seu rebanho mais que o de Labão.

Gn 31- A fuga de Jacó.
Os filhos de Labão diziam que Jacó lhe havia roubado. Então Jacó combinou com Lia e Raquel, em fugir. Saíram cedo com seus filhos e seu rebanho para o Canaã. Raquel aproveitou e roubou a imagem do deus de seu pai. Labão soube da fuga, e organizou uma comitiva para seguir Jacó. Alcançaram-no em Galaad.  Labão e Jacó fizeram um acordo de paz, ofereceram sacrifícios a Deus, e festejaram. No dia seguinte Labão abençoou suas filhas e netos, e voltou.

Gn 32- Jacó seguiu para o Canaã, e encontrou anjos de Deus. Ali ele acampou. Mandou mensageiro a seu irmão Esaú, pois temia a vingança. Esaú respondeu que viria encontrá-lo. Jacó se apavorou. Dividiu sua comitiva em duas, enviou uma à frente e depois a outra. Orou toda a noite pedindo bênçãos a Deus. Pegou vários animais separou-os em pequenos lotes, e mandou que cada servo os levassem para Esaú. E lhes disse: Quando encontrar Esaú diga que eu estou vindo, e que estes são presentes para ele. Naquela noite Jacó quis ficar só, mas apareceu alguém, e começou a lutar com ele. Quando amanhecia o homem lhe deslocou a coxa, e Jacó passou a mancar. então o homem quis ir embora, mas Jacó o reteve, e lhe pediu uma bênção. O homem disse: Seu nome não será mais Jacó, e sim Israel, porque lutou com Deus e com os homens, e venceu. Abençoou-o, e se foi.

Gn 33- Jacó seguia viagem, quando viu Esaú que vinha com 400 homens. Colocou as mulheres e as crianças no final da comitiva, e foi encontrar-se com Esaú, que vendo Jacó correu ao seu encontro, e lhe beijou. Jacó retribuiu. Ficaram um tempo juntos, depois Jacó agradeceu, e Esaú foi embora. Jacó acampou em Socot, depois em Siquém onde comprou um lote de terra, fez um altar, e sacrificou a El Deus de Israel.

Gn 34- Jacó em Siquem.
Em Siquém, Dina filha de Lia, saiu para conhecer a cidade, foi raptada e violentada pelo príncipe filho de Hemor. Hemor quis fazer o casamento deles, mas os filhos de Jacó não aceitaram, mas deixariam sua irmã  casar-se com um incircunciso, se todos os moradores se circuncidassem. Eles aceitaram. Enquanto ainda se curavam da cirurgia Simeão e Levi entraram na cidade, e mataram todos; e levaram os animais e seus bens. Jacó condenou o que os filhos fizeram.

Gn 35- a) Jacó e sua família fugiu para Betel. Antes de chegar lá, ele pediu que se desfizessem dos ídolos, das jóias e enterrou tudo. Então Deus falou a Jacó: Não se chamará mais Jacó, seu nome será Israel. Eu sou o Deus Todo Poderoso, seja fecundo e se multiplique, e te darei a terra que dei a Abraão e a Isaac.
b) Partiram de Betel, chegando perto de Efrata (Belém), Raquel deu a luz a Benjamim, e morreu. Ali foi sepultada. Depois foram para Migdal, onde Rubem dormiu com Bala, concubina de Jacó.
Relação da DESCENDÊNCIA  DE JACÓ.
c) Jacó e sua família foi para Mambré, em Hebron (Quiriat Arbé) para morar com Isaac.
d) Isaac viveu 180 anos, morreu e foi sepultado em Mambré.

Gn 36- DESCENDÊNCIA DE ESAÚ (Edom).

Gn 38- História de Judá.
Judá saiu de Hebron e foi morar em Odolão. Lá desposou Sue, e teve três filhos Her, Onã e Sela. Quando Her ficou adulto, Judá escolheu Tamar para ser sua mulher, mas Her morreu, então Onã teria de desposá-la, mas ele também morreu. Agora Sela teria que desposá-la, mas ele era ainda criança, então Judá pediu a Tamar para ficar na casa do pai dela até que Sela ficasse adulto. Ela obedeceu. Sela ficou adulto. Um dia Judá ia tosquiar ovelhas. Tamar soube se vestiu de prostituta, e o esperou na estrada. Quando ele passou convidou-o, e ele aceitou o convite. Ele a pagaria com um cabrito, e ela lhe pediu como penhor, o anel, o cordão e o bastão, até a entrega do animal. Judá mandou pagar Tamar, e pegar o penhor de volta, mas ela não foi encontrada. Tamar ficou grávida de Judá. Tempos depois vieram dizer a Judá que sua nora estava grávida, então Judá mandou queimá-la. Quando ia ser queimada, ela mostrou a Judá seu sogro, o penhor que recebera do pai de seu filho, e Judá entendeu que era ele o pai, e que ela estava certa, pois ele não lhe deu o filho em casamento, como diz a lei.

Gn 37, 39 a 50- História de José.
Gn 37- José é vendido como escravo.
José era filho de Raquel, a mulher que Jacó amou, e seus irmãos não gostavam dele porque era o preferido do pai.  Aos 17 anos era pastor de ovelhas, e teve um sonho que contou aos irmãos. Disse: Estávamos amarrando os feixes de trigo e o meu feixe se pôs de pé, e seus feixes se prostraram para ele. Seus irmãos não gostaram do sonho, e resolveram matar José. Um dia Jacó mandou José ir a Siquém e Dotain saber notícias dos irmãos que lá pastoreavam. José os encontrou; e seus irmãos quiseram matá-lo, e jogá-lo na cisterna, mas Rubens interveio para que não o matassem. Falou que o jogasse vivo na cisterna, assim depois o salvaria e entregaria ao pai. Assim os irmãos fizeram. Mas vinha uma caravana, e Judá teve a idéias de vender José. Tiraram-no da cisterna, e venderam para os mercadores de escravos, sem que Rubem visse. Pegaram suas roupas mancharam com sangue, e mandaram para o pai. E José foi vendido a Putifar eunuco do faraó do Egito.

Gn 39- José era servo na casa de Putifar, e Deus estava com ele. A mulher de Putifar passou a chamar José para dormir com ela, e ele não aceitava. Então ela armou uma cilada. Disse que ele quis abusar dela, e José foi preso. Na prisão José ajudava nos serviços.

Gn 40- José explica os sonhos.
O rei mandou prender o copeiro e o padeiro. Um dia, na prisão, eles tiveram um sonho e José os interpretou. O copeiro sonhou com uma videira, que deu três ramos com cachos de uvas maduras, ele os colheu, espremeu, e deu para o faraó beber. José disse que dentro de três dias o faraó o chamaria para o serviço. O padeiro sonhou que levava três cestos de pães na cabeça, e que as aves roubavam os pães. E José disse que em três dias ele seria enforcado. Daí a três dias foi o aniversário do faraó, e o que José dissera aconteceu.

Gn 41- O sonho do faraó.
Dois anos depois o faraó sonhou que saíram do Nilo 7 vacas gordas e depois 7 vacas magras, que devoraram as gordas. Sonhou que brotaram 7 espigas grossas, e depois 7 espigas secas, que devoraram as grossas. O faraó ficou assustado, e quis saber o significado dos sonhos, mas ninguém os decifrava. Então o copeiro falou de José ao faraó, e este mandou chamá-lo. José se arrumou, e foi levado ao faraó, que contou os sonhos. José disse: Deus falou ao faraó os futuros acontecimentos. As vacas gordas são 7 anos de fartura, e as vacas magras são 7 anos de miséria, que farão esquecer os anos de fartura. Completou José: Deve-se guardar a produção dos anos de fartura para serem consumida nos anos de miséria. O faraó gostou de José, e o nomeou ministro, pois viu que Deus estava com ele. O faraó chamou-o de Tsafenat Paneac, e lhe deu por mulher Asenet, filha de Putifar.  E aconteceram 7 anos de fartura e 7 de fome. José teve dois filhos Manassés e Efraim.

Gn 42- No tempo das vacas magras.
Jacó sabendo que havia trigo no Egito mandou seus filhos ir lá comprar, e os 10 irmãos de José foram ao Egito. Chegando lá se apresentaram a José que os reconheceu, mas disfarçou, e quis saber de onde eles vinham. Eles responderam de terra de Canaã. José se lembrou do sonho que teve dos feixes de trigo dos irmãos, que se prostravam para o seu feixe. Queria saber de seu pai e do irmão Benjamim. Depois os acusou de espionagem. Manteve Simeão como prisioneiro, e liberou os outros na condição de trazerem Benjamim na próxima viagem. E sem que vissem, devolveu o dinheiro colocando-o nos sacos de trigo de cada um. Eles voltaram para casa, e contaram tudo a Jacó, que não queria enviar Benjamim.

Gn 43- O trigo acabou, e Jacó pede aos filhos para voltarem ao Egito. Levaram Benjamim, presentes para agradar, e o dinheiro que foi devolvido. Quando chegaram, José vendo Benjamim pediu ao servo para levá-los à sua casa, e preparar uma refeição especial. Os irmãos ficaram amedrontados, e se desculpavam, mas o servo os tranqüilizou dizendo: Foi seu Deus que colocou o dinheiro em seus sacos, porque eu recebi todo o dinheiro da compra. José chegou para a refeição. Conversaram, mas ele não resistiu, e saiu para chorar escondido. Depois voltou, e comeram.

Gn 44- José mandou encher os sacos de trigo, colocar o dinheiro dentro do saco, e no saco de Benjamim colocar sua taça. De manhã os irmãos partiram, e José mandou segui-los, e pará-los porque roubaram sua taça. E assim fez, e achou a taça no saco de Benjamim, que agora passaria a ser escravo de José. Os irmãos voltaram à casa de José por não aceitar esta pena. E Judá falou a José, eu fico no lugar do menino, pois se ele ficar meu pai morrerá.

Gn 45- José pediu aos egípcios que saíssem do salão, e disse aos irmãos: Eu sou José! Meu pai está vivo? Não tenham remorso pelo que fizeram comigo. Deus me enviou ao Egito naquele tempo, para que agora vocês pudessem sobreviver. Não foram vocês que me mandaram para cá, foi Deus. E ele me tornou como o pai do faraó, chefe de sua casa. Voltem, digam ao seu pai que eu estou no Egito, e que ele deve vir para cá, pois ainda teremos 5 anos de fome, e aqui tem alimento. Morarão na terra de Gessém bem perto de mim. O faraó ficou sabendo dos irmãos de José, e os convidou para morar no Egito. Chegando em Canaã disseram que José estava vivo, e Jacó quis ir para o Egito.

Gn 46- Jacó foi para o Egito. DESCENDENTES DE JACÓ. Quando chegaram a Gessém, José foi visitá-los, e conhecer a família.

Gn 47- a) José avisou ao faraó que sua família havia chegado. Apresentou-lhe cinco irmãos e Jacó, seu pai.
b) A fome persistia, e o dinheiro do povo acabou. Então José passou a trocar o trigo por animais, e depois por terras, de forma que o faraó se tornou o dono de todo o Egito, exceto a terra dos sacerdotes. José deu sementes ao povo para plantar nas terras que agora eram do faraó, e como pagamento eles dariam a quinta parte da produção. Assim criou um sistema de produção.
c) Jacó viveu 147 anos, sendo 17 no Egito.

Gn 48- José sabendo que seu pai estava mal foi visitá-lo, e levou seus filhos Manasses e Efraim. Chegando lá seu pai os abençoou, e os tomou como seus, e eles passaram a ser herdeiros de Jacó.

Gn 49- Benção de Jacó.
Jacó reuniu seus filhos para se despedir, e os abençoou um a um. Pediu para ser enterrado na caverna de Macpela, defronte Mambré em Hebron, junto com Abraão, Sara, Isaac, Rebeca e Lia.

Gn 50- a) Jacó morreu. José e seus irmãos sepultaram-no na caverna de Macpela, conforme sua vontade.
b) Na volta ao Egito. Os irmãos pediram perdão a José por tê-lo vendido como escravo.
    José lhes disse:  Vocês quiseram me fazer mal, mas Deus fez um bem, que foi conservar um povo.
c) José viveu 110 anos, e viu seus netos crescerem. Antes de morrer disse aos filhos: Deus vai levar vocês para a terra que foi prometida a Abraão, Isaac e a Jacó. Eu quero que levem meus ossos com vocês.



===============================================================

VERSÃO DO LIVRO DO ÊXODO

Ex 1- Os israelitas no Egito.
a) Após a morte de José os israelitas se multiplicaram, e José foi esquecido pelos egípcios. O faraó resolveu oprimir os israelitas, porque achava que eles estavam ficando poderosos, e poderiam expulsar os egípcios de seu país. Impôs uma dura escravidão, na fabricação de tijolos, e nos trabalhos do campo.
b) Pediu às parteiras para matarem os filhos homens dos israelitas ao nascer, mas elas não obedeciam, e eles se multiplicavam. Então mandou que jogassem os meninos no Rio Nilo.

Ex 2- Moisés.
a) Uma família da casa de Levi teve um filho, e o escondeu por três meses, depois o colocou numa cesta, e a deixou entre os juncos do rio, no local onde a princesa se banhava. A irmã do menino vigiava. A princesa encontrou o cesto com o menino, viu que era um hebreu, e o pegou. A irmã  que vigiava o menino, saiu e perguntou à princesa se queria alguém para amamentá-lo. Ela respondeu que sim. A menina correu e avisou sua mãe, que veio falar com a princesa, e pegou a criança para amamentar. O menino cresceu, e a mulher o devolveu à princesa, que o adotou, e lhe deu o nome de Moisés.
b) Moisés cresceu. Um dia visitando os hebreus, Moisés viu um egípcio batendo num deles, e então matou o egípcio. O faraó soube, e mandou matar Moisés. E ele fugiu para a terra de Madiã.
c) Chegando em Madiã ficou perto de um poço, e as filhas do sacerdote vieram buscar água para as ovelhas, mas alguns pastores não deixavam. Moisés ajudou as moças, dando de beber ao seu rebanho. Voltando para casa as moças contaram tudo ao seu pai. Ele chamou Moisés, e o acolheu em sua casa.
d) Moisés se casa com Séfora filha do sacerdote Raguel, e tiveram um filho que se chamou Gerson.
e) O faraó morreu. Os israelitas clamavam a Deus devido à escravidão. Deus os reconheceu, e os ouviu.

Ex 3- Deus fala com Moisés.
a) Moisés cuidava das ovelhas de seu sogro no Monte Horeb, quando o anjo do Senhor lhe apareceu na chama de uma sarça que queimava, e não se consumia. O anjo disse: ‘Moisés não se aproxime, tire suas sandálias, pois aqui é uma terra santa’. E disse: ‘Eu sou o Deus de seu pai, de Abraão, de Isaac e de Jacó. Ouvi o clamor do meu povo. Vou tirá-lo do Egito, e levá-lo para uma terra espaçosa e fértil, onde dá leite e mel. A terra de Canaã. E te envio ao faraó para livrar os israelitas’. Moisés disse: ‘Quem sou eu para fazer isso?’ Deus respondeu: ‘Eu estarei com você’.
b) Moisés perguntou: ‘E quando me perguntarem qual é o seu nome?’ Deus respondeu: ‘EU SOU AQUELE QUE SOU, assim responderá EU SOU me envia a vocês. É JAVÉ o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó.
c) Javé disse: ‘Vá, reúne os anciãos de Israel, e lhes diz: Javé Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó me apareceu. Disse que visitou vocês, e viu o que o Egito faz. E disse: eu tirarei vocês do Egito, e os levarei para a terra dos cananeus’.
d) O faraó não os deixará partir, mas eu o castigarei com todo tipo de prodígio, e ele permitirá. Cada mulher peça vestidos, objetos de prata e ouro, às vizinhas, e despojarão os egípcios.

Ex 4- Os prodígios.
a) Moisés disse: Eles não acreditarão. O Senhor disse: Jogue sua vara no chão. E ele jogou, e ela virou uma serpente. Depois disse: Pegue-a pela cauda. Moisés pegou a serpente, e ela voltou a ser uma vara. E disse novamente: Coloque sua mão no peito sob a roupa. Ele fez. Quando retirou sua mão estava branca leprosa. O Senhor disse: Coloque-a de novo no peito. Ele colocou, e quando retirou ela estava normal. Faça isso aos israelitas para lhes provar que eu sou o Senhor Deus de Abrão, Isaac e Jacó. E eles acreditarão. Se não crerem pegue um pouco de água do Nilo, derrame sobre o chão, e ela se tornará sangue.
b) Moisés resistia e disse: Senhor eu não tenho o dom da palavra, pois tenho a língua pesada. Deus respondeu: Quem te deu a língua foi eu. Vai e estarei com você. Moisés teimava, e disse: Senhor mande outro. Deus se irritou com Moisés, e disse: Chame seu irmão Aarão, você diz, e ele repete para o povo.
c) Moisés voltou para casa, e contou o que aconteceu ao seu sogro. Disse que iria ao Egito. Ele permitiu, e o abençoou. Moisés partiu com sua mulher e filhos. O Senhor mandou Aarão encontrar-se com Moisés no caminho. Moisés se alegrou, e contou a ele tudo o que aconteceu. Chegaram à vila, e Aarão falou ao povo que Deus encarregou Moisés de tirá-los do Egito. E eles acreditaram, e se prostraram em respeito.

Ex 5- Moisés e Aarão se dirigiram ao faraó, e pediram para deixar o povo ir fazer uma festa para Deus, no deserto . O faraó perguntou: Quem é este Deus para que eu o obedeça? Não os deixou ir, e aumentou seu trabalho fazendo-os buscar a palha para os tijolos. Disse que eles eram preguiçosos, e queriam ir ao deserto fazer festa ao Deus, para não trabalhar. E os castigava mais.

Ex 6- a) O Senhor disse a Moisés: Eu sou o Deus de Abraão, de Isaac e Jacó, e prometi lhes dar a terra de Canaã onde moraram. Agora ouvi o clamor dos israelitas, e me lembrei da aliança que fiz com eles. Por isso vou tirá-los do Egito, e levá-los ao Canaã.
         b) GENEALOGIA DE MOISÉS.

Ex 7- A primeira das 10 pragas.
O Senhor disse a Moisés: Vá com Aarão ao faraó, e pede para deixar os israelitas saírem do Egito. Mas ele não aceitará. Diante do faraó Moisés e Aarão fizeram o que deus ordenou, e ele não aceitou. Aarão jogou a vara diante do faraó, e ela virou uma serpente. Os mágicos do faraó também jogaram suas varas, e elas viraram serpentes, mas a serpente de Aarão engoliu a deles.
Por ordem de Deus, no dia seguinte esperaram o faraó junto ao rio, e pediram para deixar o povo ir. E ele negou. Então Aarão tocou a água com a vara, e ela virou sangue, morreram os peixes, e por sete dias não tinham água para beber.

Ex 8- A 2ª, 3ª e 4ª pragas.
a) Pediram novamente ao faraó, mas ele negou. Aarão levantou as mãos sobre o rio, e as rãs saíram e invadiram a terra. O faraó chamou Moisés e Aarão, pediu que intercedessem ao Senhor para afastar as rãs, e ele deixaria o povo ir ao deserto oferecer sacrifícios ao Senhor. No mesmo dia o Senhor fez morrer todas as rãs. O faraó então voltou atrás, e não deixou o povo ir.
b) O Senhor disse a Moisés e Aarão: Toque na poeira da terra com a vara. Ele tocou, e a poeira virou mosquito, e infestou o Egito, mas o faraó não cedeu.
c) O Senhor disse a Moisés e Aarão: Apresente-se ao faraó amanhã na beira do rio, e diga que se ele não deixar o povo ir me prestar culto, o Egito será invadido por moscas, menos o meu povo em Gessém; para ele ver que eu sou o Senhor. E assim fez. O faraó chamou Moisés e Aarão, e os autorizou fazer os sacrifícios no deserto, mas depois que se afastaram as moscas, o faraó voltou atrás, e não deixou o povo ir.

Ex 9- A 5ª, 6ª, e 7ª pragas.
a) O Senhor disse a Moisés e Aarão, diga ao faraó, que se não deixar o povo ir me prestar culto, mandarei uma peste que matará todo o gado. E assim fez. O faraó viu que o gado dos israelitas não morreu, mesmo assim não deixou o povo ir.
b) O Senhor disse a Moisés e Aarão, leve um punhado de cinzas, jogue-o para cima diante do faraó, e diga que esta cinza vai encher os egípcios e seus animais de tumores e úlceras. Mas o faraó não deixou o povo ir.
c) O Senhor disse a Moisés e Aarão, diga ao faraó, que se não deixar o povo ir me prestar culto, farei chover pedras. E assim fez. O faraó chamou Moisés e Aarão, e autorizou irem fazer o culto de novo. Assim que parou de chover granizo o faraó voltou atrás, e não deixou o povo ir.

Ex 10- A 8ª, e 9ª pragas.
a) O Senhor disse a Moisés e Aarão: Diga ao faraó, que se não deixar o povo ir me prestar culto mandarei gafanhotos sobre o Egito, e devorarão tudo o que sobrou no campo. E assim fez. O faraó chamou Moisés e Aarão, e autorizou de novo irem fazer o culto. Assim que o Senhor afastou os gafanhotos o faraó voltou atrás, e não deixou o povo ir.
b) O Senhor disse a Moisés: Estende as mãos para o céu e o Egito se cobrirá de trevas. O faraó chamou Moisés, mas não autorizou o povo ir. Expulsou Moisés do palácio, e prometeu matá-lo, se voltasse.

Ex 11- Anúncio da 10ª praga.
O Senhor disse a Moisés: Mandarei mais uma praga sobre o Egito, e então o faraó os expulsará do Egito. Diga ao povo para se preparar, e pedir ouro e prata aos vizinhos. Naquele dia, à meia noite passarei por eles, e morrerão os primogênitos dos homens e dos animais do Egito, menos os dos israelitas.

Ex 12- a) A Páscoa.
O Senhor disse a Moisés: Este mês será para vocês o início do ano. Diga a todos que no 10º dia deste mês cada família pegue um cordeiro, para ser imolado no crepúsculo do 14º dia. Passarão o sangue dele na porta, e comerão sua carne assada, com pão sem fermento e ervas amargas. Nesta noite ferirei os primogênitos do Egito. O sangue nas portas será sinal de proteção para o destruidor. Em memória deste dia, todos os anos do dia 14 aos 21 do 1º mês, festejarão a Páscoa em honra ao Senhor.
b) No dia à meia noite o Senhor matou os primogênitos, e houve um grande choro no Egito. O faraó chamou Moisés, e deixou o povo ir como queriam. Na mesma noite os israelitas partiram de Ramsés para Socot. Eram 600 mil adultos, e seus rebanhos. Levaram como despojo o ouro e a prata dada pelos egípcios Permaneceram 430 anos cativos no Egito.
c) LEI RELATIVA À PÁSCOA.

Ex 13- a) Continuação da lei relativa à Páscoa.
b) Todo primogênito deve ser consagrado ao Senhor, pois foram poupados na Páscoa no Egito. E todo ano na Páscoa farão um sacrifício de um animal primogênito, em memória.
c) Partiram pelo deserto evitando o caminho da Filistéia. Saíram de Socot, e acamparam em Etão. Levavam com eles os ossos de José. O Senhor ia à frente deles com nuvens de dia e fogo à noite.

Ex 14- Passagem do Mar Vermelho.
O Senhor mandou mudar de direção, e ir para Fiairot perto do mar, e lá acamparam. Quando o faraó soube que fugiram, se irou; mandou a tropa persegui-los, e os alcançou em Fiairot. Os israelitas viram os egípcios, e se arrependeram de ter fugido, mas Moisés os acalmou dizendo que o Senhor combateria por eles. O Senhor disse a Moisés: Ponha-se a caminho, e toque o mar com a vara para ele dar passagem. E assim fez Moisés. O Senhor que marchava à frente deles, foi para trás, e escureceu o caminho para os egípcios com a nuvem. Moisés tocou o mar, e um vento forte o abriu; e passaram a pé. Os egípcios entraram pelo mar seguindo-os, mas o Senhor freava as rodas dos carros, retardando-os. Assim que o povo atravessou o mar, Moisés estendeu a mão sobre o mar, e ele voltou ao normal afogando os egípcios.

Ex 15- a) 1º Cântico de Moisés. ‘Canto ao Senhor pois manifestou sua glória. Deixou os perseguidores no mar. O Senhor é minha força. Ele me salvou. Ele é o meu Deus, e eu o celebrarei, e o exaltarei. Seu nome é Javé. Quem é semelhante a Javé? Glorioso por vossa santidade, temível por vossos feitos. Estendeu a mão, e o mar abriu, de novo estendeu a mão, e o mar fechou, e tragou o inimigo. O Senhor conduz com bondade o povo que libertou, e com seu poder o guia a sua morada santa’.
b) Atravessaram o mar, e seguiram pelo deserto de Sur até Mara. Lá o povo reclamou porque água era amarga. Moisés jogou a vara na água, e ela se tornou doce; e o povo bebeu. E o Senhor disse: Eu sou o Senhor que te cura (Javé Rafá).


Ex 16-O maná.
Foram para o oásis de Elim, e daí para o Sinai. No deserto de Sin reclamaram dizendo: ‘Antes o Senhor nos matasse no Egito, quando tínhamos carne e pão para comer, mas nos conduz ao deserto para nos matar de fome’. O Senhor disse a Moisés: ‘Vou fazer chover pão, e cada um recolhe o que vai comer no dia, no 6º dia recolherão também a quantidade do sábado’. ’Esta tarde antes que escureça comerão carne, e amanhã darei o pão’. E assim fez o Senhor. À tarde uma revoada de codornas cobriu o acampamento, e de manhã caiu um orvalho, que evaporou, e deixou grãos do maná. Moisés pediu que pegassem apenas a provisão do dia. E quem juntou muito não foi demais, e quem juntou pouco não faltou. O Senhor pediu que se guardasse uma medida do maná como testemunho. E assim fizeram por 40 anos até chegarem ao Canaã.

Ex 17- a) Acamparam em Rafidim onde não havia água, e o povo reclamou. Moisés se dirigiu ao Senhor, e Ele o mandou tocar a rocha do Horeb com a vara, e a água jorrou. Chamaram o lugar de Massa e Meribá, porque provocaram o Senhor dizendo: ‘O Senhor está ou não no meio de nós?’
b) Os israelitas foram atacados por Amalec em Rafidim. Moisés mandou Josué juntar os homens de guerra, e combater Amalec. Moisés, Aarão e Hur subiram a colina para orar, e assim que Moisés elevava as mãos para Deus, Josué vencia, se baixava ele perdia. Então Moisés se sentou, Aarão e Hur seguraram suas mãos  elevadas até o por do sol, e Josué venceu. E chamaram este lugar de Javé-Nessi (Senhor Nossa Bandeira).

Ex 18- a) Jetro, sogro de Moisés, veio ao seu encontro com sua mulher (Séfora), e seus dois filhos (Gerson e Eliezer). Moisés lhe contou os prodígios que o Senhor fez por causa de Israel. Então Jetro ofereceu um sacrifício a Deus, e todos participaram.
            b) A função e a organização inicial da igreja.
No dia seguinte Moisés atendia o povo. Jetro viu, e falou a Moisés: Não é certo fazer assim, é um fardo muito pesado para você sozinho. Faça assim. Você representará o povo junto a Deus. Levará as questões, e trará as ordens e leis de como se comportar. Mas escolha no meio do povo homens prudentes, íntegros, tementes a Deus e desinteressados, e os ponha como chefes de mil, de cem, de cinqüenta e de dez. Eles julgarão o povo, e trarão a você só as questões importantes. E assim fez Moisés.

Ex 19- Javé se manifesta.
No 3º mês após a saída do Egito, os israelitas saíram de Rafidin, e acamparam em frente ao monte Sinai. Javé chamou Moisés, e ele subiu o monte. E Javé disse: ’Se Israel me obedecer e guardar minha aliança será o meu povo particular entre todos os povos, um reino de sacerdotes, uma nação consagrada’. Moisés falou isso ao povo, e eles aceitaram fazer o que o Senhor mandar. O Senhor deu dois dias para que o povo se purificasse, lavasse as vestes, e que no terceiro ele virá visitá-los. Proibiu de subir o monte nestes dias, e até mesmo tocar sua base, e quem tocar deverá ser morto. Na manhã do terceiro dia houve trovões e relâmpagos, e uma nuvem espessa cobriu o monte. Soou a trombeta, e Moisés levou o povo até o pé do monte. O povo tremia de medo. Moisés falava, e os trovões respondiam. Depois Moisés falou ao povo.

Ex 20- a) Os dez mandamentos.
E Deus falou: ‘Eu sou Javé seu Deus, que te tirou do Egito. Não tenha outro Deus em meu lugar. Não faça escultura ou pintura para me representar, nem se prostre diante delas. Eu me vingo dos desobedientes, mas tenho misericórdia daquele que me ouve. Não jure falso. Santifique o sábado, e nele descanse. Honre seus pais. Não mate. Não engane. Não furte. Não dê testemunho falso. Não cobice, nem inveje.
b) O povo tremia, e Moisés falou: ‘Não tenham medo, pois Deus vem para que o temam, e não pequem’.
c) O Senhor falou: Faça um altar, e ofereça holocaustos e sacrifícios, em todo lugar que passar, para se lembrar de mim. Ele deve ser de pedras não talhadas, e não deve ter degraus.

Ex 21- Leis diversas. Um escravo hebreu servirá por 6 anos no 7º ano será livre. Uma filha vendida como escrava não será alforriada, mas se for infiel pode ser resgatada. Se o homem tiver várias mulheres deve dá-las tratamento igual. Se comprá-la para o filho, ela deve ser tratada como filha.
- Crimes de morte: ferir os pais, amaldiçoar os pais, matar (se for acidental tem direito a refúgio) e roubar.
- Crimes de indenização: ferir, uma grávida dar a luz devido a confusão, acidente em cisterna sem proteção.
- Leis recíprocas (lei de Talião Lv 24,17): olho por olho, dente por dente, dano por dano, etc.
- Crimes de um boi.

Ex 22- Leis sobre: animal emprestado ou roubado, flagrante em ladrão, danos à propriedade, incêndio, guarda de valores, fraudes, feitiçaria, sedução, infidelidade a Deus, sexo com animais, o estrangeiro a viúva e o órfão, empréstimos de dinheiro, oferta das primícias e primogênitos.

Ex 23- a) Leis sobre: boato, falso testemunho, processos judiciais, trato com animais, suborno, uso da terra, descanso semanal, propagar outros deuses, sacrifícios de animais e as Festas religiosas (pão Ázimo, Ceifa das Primícias, Colheita).
b) Promessas. O Senhor disse a Moisés: Vou mandar um anjo para te proteger, e te levar à terra que prometi. Respeite-o, porque ele vai em meu nome, e então serei inimigo de seus inimigos. Só preste culto a Javé seu Deus, que abençoará seu pão e sua água, e te preservará de doenças. Mandarei o terror adiante de ti para expulsar os habitantes das terras, para que as ocupe. Não faça aliança com os nativos, pois te farão pecar contra mim, com seus deuses.

Ex 24- a) Ofereceram holocaustos, sacrifícios e imolaram touros. Moisés derramou metade do sangue sobre o altar, e a outra parte aspergiu sobre o povo, dizendo: ‘Eis o sangue da aliança com o Senhor’, e o povo disse: ‘Seremos obedientes’.
b) O Senhor disse a Moisés: Sobe no Monte com Aarão, Nadab e Abiu e 70 anciãos, e se prostrem. Eles foram ao monte, viram Deus, e depois comeram e beberam.
c) Moisés subiu o monte para receber a lei escrita nas tábuas de pedra, e lá ficou 40 dias. Aos olhos dos israelitas a glória do Senhor tinha o aspecto de um fogo consumidor sobre o monte. 

Ex 25- Pedido de ofertas para fazer o tabernáculo e os objetos sagrados.
Projetos da tenda do santuário, da Arca da aliança, da mesa dos pães da proposição e do candelabro.
Ex 26- Projeto da tenda do tabernáculo.
Ex 27- Projeto do altar dos holocaustos e do átrio.
Ex 28- Projeto das vestes dos sacerdotes. No peitoral de julgamento porá o urim e o turim (sortes).
Ex 29- Lei sobre a cerimônia de consagração dos sacerdotes. Lei do holocausto perpétuo.
Ex 30- Projeto do altar de perfumes e da bacia de bronze.
O recenseamento e o imposto para o culto. Instruções sobre o óleo de unção e o perfume sagrado.
Ex 31- Escolha dos operários para construir o tabernáculo. Lei sobre o sábado.
Deus terminou de falar, e entregou a Moisés as duas tábuas de pedra com as leis escritas com o seu dedo.

Ex 32- O homem e a desobediência.
a) Moisés estava no monte há 40 dias. O povo pensou que ele tivesse sumido, e pediu a Aarão que fizesse um deus para os tirar daquele lugar. E Aarão fez um bezerro de ouro representando Javé, que os tirou do Egito. Ofereceram sacrifícios, comeram, beberam, e depois se levantaram para se divertir. O Senhor disse a Moisés, ‘desce porque o povo se corrompeu, e me desobedeceram’.
b) Moisés desceu o monte com as duas tábuas da lei. Ao chegar no acampamento viu o povo festejando com o bezerro de ouro. Irritou-se e jogou as tábuas, e elas se quebraram. Pegou o bezerro, fez pó, colocou na água, e deu para beberem. Moisés viu que o povo estava desenfreado, sem rédeas.
c) Moisés quis saber quem se achava ser do Senhor, e os filhos de Levi se apresentaram. Moisés mandou que matassem os outros. E os levitas se consagraram ao Senhor.

Ex 33- O Senhor mandou Moisés ir para o Canaã. Disse que não os acompanharia porque eram teimosos, e ele os aniquilaria no caminho. Mas Moisés, que tinha todo o favor do Senhor, insistiu, e Ele perdoou o povo, e disse que sua face os guiaria. Moisés disse: ‘Mostre-me sua glória’. O Senhor respondeu: ‘Vou passar diante de ti meu esplendor, pois dou a minha graça a quem eu quero, e uso de misericórdia com quem me aceita’. Mas não vai ver minha face. Isso será na fenda da rocha no alto do monte.
Moisés armava a tenda (de reunião) onde atendia o povo, quando ele entrava nela, a coluna de nuvem descia sobre ela, e o Senhor falava com Moisés face a face. Josué filho de Num ficava de plantão na tenda.

Ex 34- a) Deus.
Javé, Javé, Deus compassivo e misericordioso, lento para a cólera, rico em bondade e fidelidade, que conserva sua graça até mil gerações, que perdoa os pecados e a rebeldia, mas não tem o culpado por inocente.
b) O homem.
Moisés se prostrou, e disse: Se tenho seu favor Senhor, venha marchar com seu povo. Somos cabeça dura, mas perdoe nossos erros e pecados, e nos aceite como sua propriedade.
c) Nova Aliança. Novas tábuas da lei.
O Senhor falou a Moisés: Vou refazer a aliança com você. Depois que entrar na terra de Canaã, não faça acordo com aqueles povos. Não tenham outros deuses. Não se casem com eles. Façam a festa dos ázimos no mês das espigas. Todo primogênito é meu. Descanse no 7º dia. Festejem as Semanas (ceifa das primícias) e a colheita. Apresente os varões a mim três vezes ao ano. Moisés ficou no monte 40 dias sem comer ou beber, e Javé escreveu as novas tábuas. Moisés desceu o monte, e seu rosto brilhava. Falou ao povo da nova aliança, das novas tábuas. Passou a usar um véu para encobrir o rosto.

Ex 35- a) Lei sobre o dia de sábado.
b) Pedidos de ofertas materiais para construir a tenda do tabernáculo. Foram indicados Beseleel na arte da construção, e Ooliab na arte de esculturas e bordados.

Ex 36- Construção do tabernáculo.
Ex 37- Construção da arca, do candelabro, do altar de perfumes.
Ex 38- Construção do altar dos holocaustos, do átrio e da bacia.
Ex 39- Confecção das vestes litúrgicas. Aprovação final.
Ex 40- Consagração do tabernáculo.
Durante a passagem pelo deserto, quando a nuvem saía de cima do santuário, era o sinal para os israelitas partir, e quando ela descia, acampavam. A nuvem ficava sobre o tabernáculo, à noite era luz de fogo, e ao dia era sombra.



===============================================================

VERSÃO DO LIVRO DO LEVÍTICO 
(discursos de Moisés)

Lv 1- Leis sobre o holocausto. Tudo sobre o animal oferecido.
Lv 2- Leis sobre as oblações (ofertas com derivados vegetais).
Lv 3- Leis sobre sacrifícios pacíficos (ação de graças particular).
Lv 4- Leis sobre sacrifícios pelo pecado.
Lv 5- Leis sobre sacrifícios de reparação.
Lv 6- Leis de processo dos sacrifícios.
Lv 7- Leis de execução dos sacrifícios.
Lv 8- Leis para a consagração dos sacerdotes.
Lv 9- Primeiro sacrifício.
Lv 10- Primeiros erros de execução. O pecado de Nadab e Abiú, filhos de Aarão. Ofereceram incenso no santuário sem ordem de Deus, e um fogo do Senhor os matou.

Lv 11- Leis sobre animais puros e impuros.
Lv 12- Leis sobre a impureza da mulher que deu à luz.
Lv 13- Leis sobre a lepra e a tinha.
Lv 14- Leis sobre a purificação dos leprosos, e suas casas.
Lv 15- Leis da impureza sexual (gonorréia, sêmen, menstruação)
Lv 16- Leis das expiações. Bode expiatório e Azazel.
Lv 17- Leis sobre o lugar do sacrifício.
          A alma - A alma da carne é o seu sangue, e o sangue não deve ser comido, pois ele serve para expiar a alma (Lv 17,14).

Lv 18- Leis sobre relações sexuais.
Ninguém deve ver um parente nu, nem ter relação sexual com: parente, vizinha ou conhecida, pessoa do mesmo sexo, mulher menstruada,  ou com animal.

Lv 19- Leis religiosas e morais.
a) O Senhor disse: ‘Sede santos, porque eu sou santo’. Respeite seu pai e sua mãe, descanse no sábado, não procure ídolos, nem faça estátuas de deuses.
b) Leis sobre a oferta, o sacrifício, a ceifa e a respiga.
c) Leis diversas: Não roube, engane ou oprima alguém. Não jure falso. Respeite o deficiente. Não julgue injustamente. Não favoreça o pobre nem tenha complacência com o grande, mas use de justiça com eles. Não difame, nem seja testemunha contra a vida do outro. Não tenha mágoa do irmão. Repreenda para evitar o pecado. Não se vingue. Não guarde rancor. Ame o seu próximo como a ti mesmo. Guarde meus mandamentos, pois eu sou o Senhor.
d) Mais leis. Entre elas: Não pratique magia, não consulte espíritas ou adivinhos, não faça incisões e figuras na pele, honre os velhos, teme a Deus, não oprima o estrangeiro, não roube na medida nem no peso.

Lv 20- Leis penais. Penas para idolatria, espiritismo, adivinhação, desonra de pai e mãe, adultério, homossexualismo, e sexo com animal.

Lv 21- Leis sacerdotais.
Lv 22- Leis sobre as refeições sagradas, e a escolha das vítimas.
Lv 23- Leis cerimoniais. Festas: Sábado, Páscoa ou pães ázimos, Tabernáculos ou colheita, Pentecostes ou  
            ceifa, Primícias ou feixes, do sétimo mês.
Lv 24- a) O óleo do candelabro, e os pães da propriciação.
           b) A blasfêmia e Leis recíprocas (lei de Talião Ex21,23s).
Lv 25- a) Lei sobre o ano sabático (descansar a terra cada 7 anos)
            b) Lei sobre o jubileu (liberdade a todos a cada 49 anos).
           c) Leis de propriedades.
           d) Leis financeiras.
Lv 26- Obediência a Deus. Promessas e maldições.
Lv 27- Leis sobre os votos e os dízimos.



==============================================================

VERSÃO DO LIVRO DOS NÚMEROS

Nm 1- a) Recenseamento no deserto do Sinai: total de 603 550 homens maiores de 20 anos aptos à guerra,    sem contar os levitas, porque não vão à guerra.
b) Cada família terá sua bandeira, e sempre acampará em torno dela.
c) Lei sobre os levitas e suas funções.

Nm 2- Organização do acampamento por tribos.
Nm 3- Recenseamentos dos levitas: total 22 000 homens maiores de um mês.
           Recenseamento dos primogênitos de Israel maiores de um mês: total de 22 273 homens.
           Resgate do 273 excedentes.

Nm 4- Leis sobre as funções dos levitas de 30 a 50 anos.
Nm 5- a) Leis sobre a pureza.
           b) Leis sobre o adultério e o ciúme.
Nm 6- a) Leis do nazireu (consagração ao Senhor).
           b) Bênção litúrgica:
                          Javé te abençoe e te guarde!
                          Javé te mostre sua face, e te conceda sua graça!
                          Javé volte o seu rosto para ti e te dê a paz!
Nm 7- Ofertas de cada tribo, após consagração do tabernáculo.
Nm 8- Leis de consagração dos levitas maiores de 25 anos.
Nm 9- A primeira Páscoa (no Sinai). Leis sobre a Páscoa.
Nm 10- a) Leis de comandos por toque de corneta.
             b) Partida do Sinai para Fará. Partida de Fará.
             c) Leis sobre a ordem de marcha por tribo.

Nm 11- Murmuração do povo.
a) O fogo de Tabeera - O povo murmurava amargamente com o Senhor, que se irou, e seu fogo se acendeu e devorou parte do acampamento.
b) As codornas. O povo comia do maná que caía do céu, e começou a reclamar querendo comer carne. O Senhor prometeu dar carne por um mês. Moisés achou impossível, pois eram 600 mil homens! Mas o Senhor o recriminou dizendo: ‘Acaso a mão do Senhor é impotente? Verá sem demora o que prometi’. O Senhor soprou um vento que trouxe codornas ao acampamento, e o povo ajuntou para um mês. Nem comeram a refeição, e muitos morreram; e chamaram o lugar de Quibrot Hataava.

Nm 12- A lepra de Maria.
Moisés desposou uma mulher etíope, seus irmãos Maria e Aarão não gostaram, e profetizavam para separá-los. O Senhor disse aos três: ‘Se vocês são profetas aparecerei para vocês em sonhos. Quanto a Moisés, eu falo com ele face a face, claramente, e ele contempla meu rosto. Então não fale contra ele’. Naquele instante Maria foi ferida de lepra por sete dias (como se seu pai a tivesse cuspido no rosto). Partiram para Fará.

Nm 13-Os espiões do Canaã.
O Senhor falou, e Moisés mandou um homem de cada tribo investigar o Canaã. Partiram para Hebron, que era habitada pelos filhos de Enac (gigantes). No vale do Escol colheram um cacho de uva que precisava de dois homens para carregá-lo. Voltaram a Farã, e relataram o que viram. Disseram: a terra é boa e farta, mas seus habitantes são robustos e gigantes. As cidades são muradas, e não podemos vencê-los.

Nm 14- A revolta.
O povo se revoltou, e chorou. Perguntavam porque saíram do Egito? Para morrer, ou no deserto ou à espada? E queriam voltar para o Egito. Mas Josué e Caleb disseram: ‘A terra que percorremos é muito boa, e se o Senhor quiser, ele nos dará ela. Não se revoltem contra o Senhor, nem tenham medo do povo de lá, pois não há salvação para eles, porque o Senhor está conosco’. E a glória do Senhor apareceu sobre a tenda da reunião. O povo se acalmou, e Ele disse: ‘Até quando me desprezará este povo? Vou destruí-lo’. Moisés disse: ‘O Senhor é lento para a cólera e rico em bondade, perdoa os pecados, mas não inocenta o culpado. Peço que perdoe o povo. E o Senhor perdoou o povo, mas disse que nenhum dos revoltados, maior de 20 anos, veria a terra prometida a seus pais, e morreriam no deserto. Exceto Josué e Caleb.

Nm 15- Leis sobre as ofertas e holocaustos. Lei sobre as franjas com os mandamentos.

Nm 16- O homem.
A revolta de Coré, Datã e Abiron.
Coré, Datã e Abiron lideraram um grupo de 250 homens notáveis de Israel, e foram a Moisés dizer que: Se o Senhor está no meio da assembléia, toda ela é santa, e Moisés não era maior que os outros. Moisés disse: Amanhã queimem incenso nos turíbulos, diante do Senhor, e ele mostrará quem é santo.
Datã e Abiron disseram: Não iremos. Não basta nos ter tirado do Egito para nos fazer morrer no deserto, e ainda quer ser nosso senhor? Não nos conduziu a uma terra onde corre leite e mel! Não nos deu herança, nem campos, nem vinhas! Pensa que vai tapar os olhos de todos?
No outro dia Core e seus seguidores ofereceram incenso ao Senhor. O Senhor foi às tendas de Datã e Abiron, abriu uma fenda que engoliu as tendas, e tudo que nela havia. Depois saiu um fogo que queimou Core e seus 250 seguidores.

Nm 17- a) Moisés mandou recolher os turíbulos consagrados, para laminar, e cobrir o altar.
b) No outro dia o povo se rebelou dizendo que Moisés havia matado o povo. O Senhor apareceu e lançou um flagelo sobre os revoltados que morriam. Moisés disse a Aarão: Toma seu turíbulo, acenda-o no altar, coloca o incenso, e sai no meio do povo para parar o flagelo. Aarão se colocou entre os vivos e os mortos, e deteve o flagelo. Neste golpe morrerem 14 700 pessoas mais os 250 com Coré.
c) O Senhor mandou que cada tribo desse a Moisés uma vara com o nome do seu príncipe escrito nela, e a vara do favorito de Deus floresceria, para que Israel saiba. A vara de Aarão floresceu e deu amêndoas, e a casa de Aarão foi eleita.

Nm 18- a) Leis sobre as função e o salário dos sacerdotes.
Os sacerdotes exercerão suas funções no altar atrás do véu. E serão responsáveis pelos pecados cometidos no santuário. Seu salário será as ofertas e os sacrifícios. O primogênito da vaca, da ovelha e da cabra são animais sagrados.
             b) Lei sobre o salário dos levitas. Seu salário será o dízimo, e eles pagarão dízimo do dízimo.

Nm 19- Lei da água lustral. A vaca vermelha.

Nm 20- a) A água de Meribá.
Acamparam em Cades no deserto de Sin. Lá não havia água, e o povo reclamou com Moisés, dizendo: Porque nos tirou do Egito? Para morrer no deserto? O Senhor disse a Moisés: ‘Ordena ao rochedo que dê água. E ele atenderá’. E Moisés feriu o rochedo duas vezes com a vara, e a água jorrou. Então o Senhor disse a Moisés: ‘Porque não confiou em mim, e feriu o rochedo, não entrará na terra que lhe destino’.
            b) O rei de Edom não permite que os israelitas passem em suas terras.
            c) Saíram de Cades, e foram para Hor. Aarão morre, e é substituído por seu filho Eleazar.

Nm 21- Primeiras conquistas dos Israelitas.
       a) batalha de Horma no deserto do Negeb.
       b) A serpente de bronze.
Saíram de Hor pelo deserto para o Mar Vermelho para contornar a Terra de Edom, mas o povo desanimou e reclamou com Moisés. Dizia: ’Tirou-nos do Egito para morrermos no deserto’. O Senhor enviou serpentes que morderam, e mataram muitos deles. Moisés intercedeu junto ao Senhor, e ele mandou fazer uma serpente de bronze, colocar num poste, e quem fosse mordido olhando para ela, seria curado.
       c) Passaram em Obot, contornaram Edom, e chegaram em Ijé-Abarim próximo a Moab. Acamparam em vários locais até chegar aos montes de Fasga. De lá Israel mandou mensageiros a Seon rei dos amorreus pedindo permissão para passar por suas terras, mas Seon não os deixou passar, e veio atacá-los. Israel o venceu, tomou suas terras, e se estabeleceu em Hesebon. Depois Israel atacou Og rei de Basã, venceu, e ficou com suas terras.

Nm 22- Balac e Balaão.
Israel acampou em Moab além do Jordão, e Balac, rei de Moab, ficou apreensivo, pois soube das conquistas de Israel. Balac se aliou a Madiã, e chamou Balaão, profeta amonita, para amaldiçoar Israel. Deus disse a Balaão: ‘Não vai com eles, pois esse povo é bendito’. Balac insistiu muito e Deus disse a Balaão: ‘Vai com eles, mas só faça o que eu disser’. Balaão partiu sem consentimento do Senhor, e ele se irritou. Seu anjo interceptou a jumenta de Balaão no caminho, e ela desviou-se, e Balaão a fustigava. Numa parte estreita do caminho a mula baixou-se, e falou a Balaão: ‘Que te fiz para me bater tanto?’ E o Senhor abriu os olhos de Balaão, e ele viu o anjo, que lhe falou: ‘Se a jumenta não se desviasse eu já teria te matado. Agora vá com eles, mas só fale o que eu disser’. E chegaram a Balac, que o levou onde se pudesse ver o acampamento de Israel.

Nm 23e24 - Balaão abençoa Israel.
Balac quer que Balaão amaldiçoe Israel, e ele o abençoa. Disse Balac: ‘Se não o amaldiçoa, pelo menos não abençoe’. Balac tentou três vezes, e não conseguindo dispensou Balaão.

Nm 25- Balaão e Finéias.
Os israelitas moravam em Setim, e instigados por Balaão participavam das festas ao deus Beelfegor dos Moabitas. O Senhor ficou irado, e mandou matar os infiéis. Um flagelo assolou os israelitas matando 24 000 pessoas. Finéias vendo Zamri com uma madianita, matou-o acabando o flagelo, e ele foi abençoado por Deus com um sacerdócio eterno. O Senhor mandou recensear Israel para guerrear com Madiã.

Nm 26- Recenseamento.
Eram 601 730 homens maiores de 21 anos. A terra conquistada será dividida em proporção, mas os locais  serão sorteados. Os levitas eram 23 000 homens maiores de um mês.

Nm 27- a) Lei de herança. Salafaad morreu, e não tinha filho homem, então suas filhas pediram a herança  das terras, e lhes foi concedido.
      b) Sucessão de Moisés. O Senhor escolheu Josué, filho de Num, para suceder Moisés.

Nm 28- Leis sobre sacrifícios.
Nm 29- Lei sobre o sacrifício do sétimo mês.
Nm 30- Lei sobre votos e promessas.

Nm 31- Guerra contra Madiã.
Finéias comandou os israelitas contra os madianitas, e os venceu. Trouxeram o espólio e as mulheres. Isto irritou Moisés, pois foram elas, que instigadas por Balaão, fizeram os israelitas adorar o deus de Fogor. E Moisés mandou matar estas mulheres. Depois repartiram o espólio, e se purificaram.

Nm 32- Primeiros assentamentos.
As tribos de Rubem e Gad tinham um grande rebanho, e pediram a Moisés as terras de Jaser e Galaad como suas partes da herança. Moisés lembrou-lhes da revolta no deserto, quando seus pais desanimaram de invadir Canaã, e provocaram a ira do Senhor. Mas os príncipes destas tribos prometeram lutar na conquista do Canaã, enquanto isso suas famílias já estariam assentadas. Feito o acordo, Moisés assentou também metade da tribo de Manassés.

Nm 33- a) HISTÓRIA DO ÊXODO, desde a saída do Egito até Moab.
            b) O Senhor ordena invadir Canaã. Ele disse: Se não expulsarem os habitantes da terra, eles serão como espinhos nos olhos, e não te darão paz.

Nm 34- As fronteiras de Israel.
         a) O Senhor disse: A terra que te dou como herança é a de Canaã, desde o mar salgado, Edom, o deserto de Sin, Cades, Egito, o Grande mar, o monte Hor, e o Rio Jordão.
          b) Relação dos príncipes por tribo.

Nm 35- a) Cidades dos levitas (42 cidades).
        b) Cidades de refúgio, local onde os homicidas que mataram involuntariamente, possam se proteger da vingança, enquanto aguardam seu julgamento pela assembléia. Serão seis cidades administradas por levitas.
        c) Leis sobre o homicídio involuntário.

Nm 36- Leis sobre filhas herdeiras (famílias sem filhos homens).




===============================================================

VERSÃO DO LIVRO DO DEUTERONÔMIO  
(Discursos de Moisés)
A Lei

Dt1a4- Primeiro discurso de Moisés antes de travessar o Jordão, contando a HISTÓRIA DOS ISRAELITAS.

Dt1- Principais fatos desde a saída do Sinai, até Cades:
      a) Divisão das tribos em chefes de 1 000, de 100, de 50, e de 10.
      b) A revolta em Cades, quando seus pais não quiseram entrar no Vale do Escol, no Canaã.
Dt 2- Saída de Cades até Moab. Volta ao Mar Vermelho, desvio de Edom (terra de Esaú), Passagem por Moab e Amon (terras de Lot), e a conquista da terra dos amoreus.

Dt 3- A conquista de Basã. Deus nega a Moisés entrar na terra prometida.
Dt 4- Moisés fala aos israelitas das leis de Deus dadas no Sinai, e os exorta à sua obediência.
       a) O valor da lei.
Pratiquem as leis de Deus na terra que vão ter, e elas te tornarão sábios e inteligentes aos olhos dos povos. Que nação tem deuses tão próximos como o Senhor é conosco? Qual nação tem preceitos tão justos como a lei que te recordo hoje? Houve algum deus que separou um povo no meio de outro, por meio de provas, sinais, prodígios e guerras, com mão poderosa e braço estendido, como o Senhor fez conosco no Egito? Porque amou seus pais, e elegeu a sua posteridade, foi que Ele os tirou do Egito. Despojou povos mais numerosos e mais fortes, para lhes dar suas terras como herança, como vêem hoje. Então grava em seu coração que Javé é Deus, e que não há outro deus. Cumpra suas leis, será feliz, e prolongará sua vida na terra que Javé, seu Deus, te dá.
b) Imagens e adoração aos astros.
Se vocês se corromperem e fabricarem imagens de qualquer coisa, farão o que é mau aos olhos do Senhor. Provocarão sua ira, e Ele vos espalhará entre os povos. Se procurarem o Senhor, seu Deus, o encontrarão, contanto que o busquem de todo coração e toda alma. Porque o Senhor é um Deus bom e misericordioso, e não quer vos abandonar, nem vos extinguir.
c) Indica três cidades refúgio: Bosor (para Rubem), Ramot (para Gad) e Gola (para Manassés).

Dt 5 a 11 - Segundo discurso de Moisés.
Dt5- Deus dá OS DEZ MANDAMENTOS (igual Ex20).
Os príncipes das tribos vieram a Moisés, disseram que o Senhor lhes mostrou sua glória, que ouviram sua voz no meio do fogo, e não morreram; mas é melhor que Moisés ouça o Senhor, e depois lhes diga; e eles ouvirão, e obedecerão.

Dt6- O amor de Deus - Ouça Israel, Javé seu Deus é o único. Ame o Senhor, teu Deus, de todo seu coração, de toda sua alma e de todas as suas forças. Teme o Senhor, e só preste culto a ele. Não provoque nem tente o Senhor seu Deus.

Dt7- a) Fidelidade a Deus – Ouça Israel. Não se familiarize com os povos visinhos, pois Israel é um povo consagrado a Javé, seu Deus, escolhido entre as nações para ser sua propriedade.
        b) PROMESSAS, BÊNÇÃOS E CASTIGOS.

Dt8- Gratidão a Deus – Ouça Israel. O Senhor te humilhou no deserto durante 40 anos, com a fome, mas te deu o maná como sustento, para te ensinar que o homem não vive só de pão, mas de tudo que sai da boca de Javé. Suas vestes não se rasgaram, seus pés não se machucaram, durante estes 40 anos. Reconheça que assim como o pai corrige o filho, assim te corrige, Javé seu Deus. Então guarde seus mandamentos andando no seu caminho e temendo-o. Não se esqueça do Senhor, nem da lei, achando que sua força e o vigor do seu braço adquiriram seus bens. Lembre-se que é o Senhor quem te dá a força para adquiri-los, por causa da aliança que fez com seus pais.

Dt9- A terra prometida – Ouça Israel. Hoje cruzará o Rio Jordão, e encontrará povos gigantes e invencíveis, mas saiba que o Senhor vai diante de ti como um fogo devorador, destruindo estes povos, para que tome posse da terra. Depois disso, não diga no seu coração, que foi por causa de sua justiça que o Senhor te deu a terra, porque é um povo injusto, de cabeça dura e rebelde. Mas Javé destruirá estes povos por causa da perversidade deles.
         Moisés fala das tábuas da lei e da rebeldia do povo.

Dt10- Moisés conta a HISTÓRIA DE ISRAEL, exortando à obediência às leis.
Dt11- Moisés termina o discurso, falando da obediência às leis, aos mandamentos, e suas conseqüências.

Dt 12 a 26- Código Deuteronômico.
Dt12- Lei do santuário único. (O sangue é a vida).
Dt13- Lei e castigos ao idólatra - Se aparecer no meio de vocês um profeta anunciando um sinal para que sigam outros deuses, não ouça este profeta, pois o Senhor põe à prova sua fidelidade.
           Penas para a idolatria.
Dt14- a) Lei sobre costumes pagãos.
          b) Lei sobre carnes puras e impuras.
          c) Lei sobre os dízimos.
Dt15- a) Lei sobre remissão. A cada 7 anos perdoará as dívidas. Não deve haver pobres no meio de
               vocês, por isso abra sua mão para ajudar o irmão necessitado, ou pobre de sua tribo.
          b) Lei do primogênito macho.
Dt16- a) Leis sobre as festas: Páscoa (Ázimos), das semanas (ceifa), tabernáculos (colheita).
          b) Lei sobre os juízes e notários. Não distorça a justiça, nem faça distinção de pessoas. Não aceite
             presentes, pois eles segam os olhos do sábio, e destroem a causa do justo.
Dt17- Leis sobre: Animal de oferta, idolatria, estância superior da justiça, direitos do rei.
Dt18- Leis sobre: direitos dos sacerdotes levitas, costumes pagãos, práticas de adivinhação e profetismo.
          Moisés disse: O Senhor enviará entre vocês um profeta como eu, e o ouvirão, pois foi o que seus pais
                                pediram ao Senhor, no Horeb (Dt 5,27).
Dt19- a) Lei sobre as cidades de refúgio.
          b) Lei sobre os limites de terrenos.
          c) Lei sobre testemunhas. Uma acusação só pode ser considerada se houver duas ou três
              testemunhas. LEI DE TALIÃO.
Dt20- Leis sobre guerra.
Dt21- a) Lei sobre homicídio desconhecido.
          b) Lei sobre o cativeiro.
          c) Lei sobre o direito de primogenitura.
          d) Lei sobre filhos incorrigíveis.
          e) Leis sobre cadáveres de supliciados.
Dt22- Leis diversas: animais perdidos e achados, vestes e sexo, Ninho de aves, não misturar coisas diferentes, casamento e virgindade.
Dt23- Leis diversas: Exclusões da assembléia, ir à guerra, escravo, prostituta, juros, promessas e votos, campo de trigo e vinha alheia.
Dt24- Leis diversas: Divórcio, casamento e guerra, penhor, rapto, lepra, dinheiro, direito, colheita e respiga.
Dt25- Leis diversas: julgamento e açoite (máximo 40 açoites), não atar a boca do boi que pisa o grão, Lei do levirato, Lei para extermínio de Amalec.
Dt26- Leis sobre primícias e dízimos.
Dt 27- a) Ao atravessar o Jordão façam um altar, e ofereçam sacrifícios a Deus.
           b) Bênçãos e maldições
Dt 28- Bênçãos e maldições
Dt 29- Discurso de Moisés renovando a aliança com Deus.

Dt 30- a) Ameaças ao povo idólatra, e convite à conversão.
         b) O mandamento de Deus não está acima de suas forças, nem fora do seu alcance. Ele não está no céu, nem no outro lado do mar, está bem perto de você, na sua boca, no seu coração, e você pode cumpri-lo. Deus põe diante de ti a vida com o bem e a morte com o mal. A bênção e a maldição. Escolha a vida, para viver com os seus, amando e obedecendo o Senhor, e se unindo a ele. Pois esta é a vida.

Dt 30- a) Discurso de Moisés a Josué seu sucessor. ‘Mostra-te varonil e corajoso, porque entrará com o povo na terra que o Senhor jurou dar a seus pais. O Senhor marchará diante de vocês, e estará convosco, não te deixará. Nada tema, e não se amedronte’
           b) Ordem da leitura periódica da lei.
           c)  Moisés terminou de escrever a lei, e a entregou aos levitas para colocá-la ao lado da arca.

Dt 31- a) 2º Cântico de Moisés. Vou proclamar o nome do Senhor. Dai glória a Deus! Ele é o rochedo, perfeita é sua obra, justos os seus caminhos. Deus é leal, justo e reto. Só os que não são seus filhos pecam contra ele, pois é uma raça degenerada, perversa, depravada, e agradecem ao Senhor, pecando.
          b) Último pedido de Moisés. Aplique ao seu coração todas as leis que te dou, e ensine a seus filhos. Ela não deve ser coisa de pouca importância, mas sua própria vida.

Dt 33- Bênçãos de Moisés às tribos.

Dt 34- Moisés sobe o alto de Fasga no monte Nebo, em Moab, defronte a Jericó. Vê a terra de Canaã, e ali morre aos 120 anos.


Voltar ao Índice
================================================================

2 comentários:

Paulo Jorge Ramos disse...

Mas como terá sido a vida de Moisés?

http://quem-escreveu-torto.blogspot.pt/2009/05/historicidade-de-moises.html

Saudações

hercules fontana disse...

Paulo
Li seu blog sobre a historicidade de Moisés, então te respondo.
A religião autêntica é a ligação com Deus. Por isso a Sabedoria independe de ser autenticada pelo homem, pois ela é autenticada por Deus no Espírito Santo. Espírito Santo significa ser confiante, puro, sem maldade ou malícia para permitir ser conduzido por Deus. Por isso é mais importante conhecer e viver o ensino de Moisés do que querer saber se ele existiu ou não, porque seu ensino é eterno. Como você acha que poderia se transmitir ensinamentos de vida (pois religião é viver com Deus) sem se falar de experiência de vida, mesmo que seja um experiência de laboratório? Assim na religião o narrado não precisa ser histórico, mas deve ter conteúdo de vida para o bem. Estas são as duas faces da uma mesma moeda: A Verdade e a Realidade. A realidade não é verdade e a Verdade não pode ser realidade, ou seja a Verdade não pode ser totalmente histórica.
Quanto à cópia da Lei encontrada no templo significa que ela existia escrita, mas o povo era analfabeto não precisava da escrita e então seguia a orientação dos sacerdotes e escribas, que ensinavam tudo errado e Josias obrigou-os a ensinar corretamente. Segundo a Bíblia Davi construiu o templo de acordo com o especificado por Moisés, assim Davi também pode ser uma ficção?

Obrigado pelo comentário 'útil'. abraços Hercules

Menu

_____________________________________________________________________________

Escolha